Agosto 2021

Fotografia de ciclistas do Império Russo - Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

Com rodas grandes, assimétricas ou revestidas com pneus, as bicicletas são um meio de transporte bastante popular há décadas

Esse veículo de propulsão humana que hoje briga por espaço nas ruas das cidades, nasceu antes do carro. No início era apenas lazer, mas depois da devastação que as duas grandes guerras deixaram, especialmente na Europa, a bicicleta passou a ser vista como meio de transporte. E o ciclismo transformou-se também em importante esporte.

A partir do final dos anos 1960, com o crescimento do movimento da contracultura americano e a crise mundial do petróleo, ela foi reconhecida como uma possibilidade de locomoção ecológica. A seguir, sua história:

Anos 1810 - Draisiana
Esquema de uma Draisiana / Crédito: Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

Nasce na Alemanha a draisiana, uma bicicleta sem pedais. Feita de madeira, tinha guidão, um rudimentar sistema de freios e até ajuste de altura do selim para poder ser usada por pessoas de várias estaturas.

Para fazer o brinquedo se movimentar era só apoiar os pés no chão, sair andando ou correndo e, assim que se chegasse ao equilíbrio, levantar os pés. O barão Karl von Drais (daí o nome) patenteou a ideia em 12 de janeiro de 1818.

Anos 1860 - Velocípede
Jornal com ilustração de velocípede / Crédito: Michel delmotte/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

Pierre Michaux, um carroceiro de Brunel, na França, redesenha a draisiana e cria um quadro de ferro e um sistema de propulsão por alavancas e pedais nas rodas dianteiras. Ele presenteia o filho de Napoleão III com um modelo, o que abre as portas comerciais.

Na mesma época, outro francês, Pierre Lallement, diz ter inventado antes o mesmo velocípede. Lallement se muda para os Estados Unidos e patenteia seu invento em 1866. Ao mesmo tempo, surgem as rodas com aro de aço, freios e tração traseira por corrente.

Anos 1870 - Roda gigante
Ilustrações de James Starley e suas invenções / Crédito: Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

James Starley, um inglês apaixonado por máquinas, repensa o velocípede e cria um
modelo diferente, feito de aço, com a roda cheia de raios, pneus de borracha maciça e
um sistema de freios inovador. Tinha a roda dianteira bem maior que a traseira, o que fazia dela a máquina de propulsão humana mais rápida.

Como os pedais eram fixos no eixo da roda, quanto maior o diâmetro, maior a distância percorrida e também a velocidade a cada pedalada. As rodas eram fabricadas com base na medida das pernas do proprietário.

Anos 1880 - Pneus
A primeira bicicleta com pneus e de John Boyd Dunlop / Crédito: Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

As bicicletas até aqui pecavam pela falta de conforto e pela dificuldade que as pessoas sentiam em manter-se estáveis sobre elas. As rodas diminuem, e com isso a sensibilidade aos buracos da rua e irregularidades do chão aumenta.

O escocês John Boyd Dunlop cria então uma câmara de ar para as rodas da bicicleta do seu filho em 1888. Isso e o domínio da tecnologia na transmissão por corrente tornam a condução da bicicleta suave e mais fácil, o que populariza o seu uso.

Anos 1890 - Segurança
Imagem meramente ilustrativa de bicicleta / Crédito: Brosen/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

É a grande evolução do design. Aqui surge o quadro trapezoidal, usado até hoje. A configuração com duas rodas de mesmo tamanho e o ciclista pedalando entre elas traz segurança e facilidade ao deslocamento.

Além disso, surgem os primeiros modelos de alumínio, três vezes mais leve que o aço. A uniformização da produção das rodas e dos tubos transforma a bicicleta em um meio de transporte simples, eficiente, seguro e barato. Assim começa sua popularização.

Anos 1900-1940 - Ciclismo esportivo
Competição de ciclismo em 1960 / Crédito: Bundesarchiv, Bild 183-75236-0001 / CC-BY-SA 3.0/ Crative Commons

Enquanto os Estados Unidos estão em construção e com espaço para absorver o carro, a Europa segue devastada após duas guerras. Assim, os países europeus adotam políticas de transporte de massa e uso racional do espaço, tornando a bicicleta um meio de transporte. Nesse período surgem os primeiros modelos com freio, marcha e cubo com roda livre, o que permite continuar em movimento quando o ciclista para de pedalar. O ciclismo esportivo se torna popular.

Anos 1950-1960 - Mountain bike
Atleta praticando montain bike / Crédito: Tom Johnson, Sedona Magazine/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

A bicicleta começa a perder espaço para as motocicletas e vespas, e a indústria passa a fabricar modelos com formas parecidas com as das motos. O americano James Finley Scott modifica a sua para andar em trilhas e subir montanhas. Assim surge, em 1953, o primeiro esboço da mountain bike, que vira febre algumas décadas depois. Nesse período, a bicicleta se populariza entre as crianças e ganha ares de brinquedo.

Anos 1970-1980 - BMX
Competição de BMX / Crédito: Fabrizio Tarizzo/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

Nasce nos Estados Unidos a BMX, um modelo que vira febre mundial, o maior desejo das crianças e que torna a bicicleta uma nova possibilidade para o esporte e lazer. Nessa época também surgem os primeiros movimentos pró-bicicleta como alternativa de transporte ecologicamente correto e ideal para a saúde. A mountain bike melhora o design para ficar mais leve e resistente e vira uma febre em vários países. No Brasil é o modelo predominante.

Anos 1990-2000 - Tecnologia
Imagem meramente ilustrativa de jovem em bicicleta / Crédito: Alfredo Borba/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

A tecnologia vira a maior aliada das bicicletas, que passam a usar o que existe de mais moderno em nome de performance e segurança. O ciclista pode finalmente fazer o que quiser com a sua bike, inclusive tudo aquilo que sonhava quando era criança. Surgem os modelos levíssimos, feitos com fibra de carbono, mesma tecnologia usada nos carros de corrida, freio a disco, câmbio eletrônico com a transmissão feita sem cabos.

Anos 2010 - Mobilidade
Imagem meramente ilustrativa / Crédito: papagnoc/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

A bicicleta como meio de transporte passa a fazer parte do repertório mundial. Por isso, os modelos dobráveis e as elétricas ou com pedaladas assistidas ganham as ruas. A geometria flat foot também é um avanço nesse sentido, pois boa parte das pessoas tem medo de usar a bicicleta por não conseguir colocar os pés no chão quando parada. A americana Electra desloca a caixa de movimento central para a frente, assim a perna do ciclista fica esticada ao pedalar e ele pode apoiar o pé no chão sem descer do selim.

Inscrição deixada pelo rei Nabonido na Arábia Saudita - Divulgação/Saudi Press Agency

No último mês, arqueólogos descobriram o mais longo texto cuneiforme já encontrado na Arábia Saudita, que apresentava figuras possivelmente religiosas

Nabonido foi o último a governar a Babilônia, enorme império que, durante o seu auge, se estendeu pelos territórios que iam do Golfo Pérsico até o Mar Mediterrâneo. Durante grande parte de seu reinado, o rei viveu na Arábia Saudita, o que até hoje não tem uma explicação clara para especialistas.

Como ressalta o portal LiveScience, existem historiadores que destacam as divergências entre Nabonido e os sacerdotes e oficiais da Babilônia para esclarecer a longa estadia do governante na região que viria a ficar conhecida como o país do Oriente Médio. Ele reinou a civilização entre 556 e 539 a.C., antes de perdê-la para Ciro da Pérsia.

O rei Nabonido representado em uma estela de Haran / Crédito: Klaus-Peter Simon via Wikimedia Commons

Embora esse seja um mistério histórico que ainda não foi desvendado, a Arábia Saudita possibilitou uma série de descobertas arqueológicas relacionadas ao governo do último rei da Babilônia nos últimos séculos. Uma delas foi, inclusive, feita no último mês, anunciada pela Comissão Saudita para Turismo e Patrimônio Nacional no dia 13 de julho.

Pesquisadores descobriram uma inscrição de 2.550 anos deixada em nome do rei Nabonido. O impressionante achado surpreendeu a comunidade científica e foi repercutido ao redor do mundo, especialmente pela possibilidade de trazer novas informações sobre o período.
A inscrição do último rei

A região de Al Hait, no norte da Arábia Saudita, é conhecida por guardar uma série de locais antigos, entre muitos que remontam ao período que Nabonido reinava na Babilônia. Já foram encontradas instalações de água, artes rupestres, restos de fortalezas, obeliscos, inscrições e muitos outros vestígios históricos.

No passado, o local era conhecido como Fadak e possui registros arqueológicos de períodos distintos, que vão desde o primeiro milênio a.C. até o começo da era islâmica, como relatou o portal SmithSonian. Hoje, a região fica na cidade de Hail e tem “grande importância”, segundo os especialistas informaram pelo Twitter.


A mais recente descoberta foi feita em uma pedra de basalto no mesmo sítio arqueológico. Segundo o Ministério da Cultura da Arábia Saudita, trata-se da inscrição cuneiforme mais longa já encontrada no país até agora, com 26 linhas de texto que foram assinadas em nome do rei Nabonido.

Além da extensa passagem, a pedra mostra algumas gravuras no topo que apresentam o próprio governante babilônico segurando um cetro e outras figuras interessantes, que ainda estão sendo examinadas por uma equipe de especialistas. A descoberta foi feita recentemente, então as conclusões ainda são poucas.

Os arqueólogos destacam uma cobra, o sol, uma flor e a representação de uma lua crescente que foram cravadas no local há pelo menos 2.550 anos. Acredita-se que as gravuras tenham significado religioso e que estejam relacionadas ao reinado do último governante da Babilônia, possivelmente dando detalhes sobre o período histórico.

Como ressalta o jornal britânico Daily Mail, alguns cientistas ressaltam a possibilidade das imagens estarem ligadas às divindades do panteão mesopotâmico, como a estrela de Ishtar, o disco alado do deus sol Shamash e o crescente da divindade lunar Sin.

© Getty Images
Os maiores escândalos de Hollywood que a história esqueceu
Acredite ou não, os escândalos de Hollywood de tempos passados eram ainda mais selvagens do que os que vemos hoje. A sociedade era muito mais tradicional do que é agora. O que também significava que estúdios e homens poderosos poderiam se safar até de assassinatos! As estrelas femininas, por sua vez, estavam constantemente envolvidas em casos extraconjugais.

A Era de Ouro de Hollywood durou entre os anos 1920 e 1960, mas não foi uma era de ouro para todos. Clique nesta galeria para saber sobre os escândalos mais chocantes de Hollywood que o tempo esqueceu.

© Getty Images
O filme problemático de Joan Crawford
Quando Joan Crawford era adolescente, muito antes de se tornar uma estrela, ela supostamente atuou num curta-metragem adulto chamado "Velvet Lips" (Lábios de Veludo, em tradução livre). Quando ela assinou com a MGM Studios, eles ficaram desesperados para caçar e destruir o filme antes que pudesse ressurgir e prejudicar sua carreira.

© Getty Images
O filme problemático de Joan Crawford
Relatos até dizem que o produtor da MGM Eddie Mannix fez parceria com a máfia para obter o filme. Eles acharam alguns chantagistas que prometeram entregar o filme em troca de US$ 100.000 (uma quantia especialmente grande naquela época). Uma versão da história diz que Mannix simplesmente entregou o dinheiro. Outra sugere que ele disse aos chantagistas que lhes daria $25.000 pelo filme, e se eles rejeitassem sua oferta a máfia os mataria. Independentemente disso, o filme nunca veio a público!

© Getty Images
A morte misteriosa de Paul Bern
Acredita-se que o marido de Jean Harlow, o produtor Paul Bern, tenha se matado em casa em 1932. A polícia encontrou um bilhete que ele deixou para Harlow, pedindo desculpas pelo mal que ele tinha feito a ela. A última frase era: "Você entende que a noite passada foi apenas uma comédia." A polícia não tinha ideia do isso significava e Harlow se recusou a comentar.

© Getty Images
A morte misteriosa de Paul Bern
Antes de se casar com Jean Harlow, Bern tinha tido um relacionamento sério com uma moça chamada Dorothy Millette. Ela entrou em coma e os médicos disseram a Bern que ela nunca acordaria. Dez anos depois, quando já tinha uma nova vida com Harlow, ele descobriu que Millette acordou do coma e queria vê-lo.

© Getty Images
A morte misteriosa de Paul Bern
Bern deu um jeito de levar Millette à sua casa. Acredita-se que a esposa não estava em casa durante a noite. No dia seguinte, Bern foi encontrado morto, com uma arma e a estranha carta ao lado dele. Nove dias depois, o corpo de Millette foi achado em um rio e supunha-se que ela se matou. Toda a situação é mais estranha que a ficção.

© Getty Images
A morte dos 'Hell's Angels'
Alguns se lembrarão de Howard Hughes como o piloto interpretado por Leonardo DiCaprio no filme 'O Aviador' (2004). Ele também foi produtor de cinema e criou o drama de guerra de 1930 'Hell's Angels'. Ele estava determinado a obter as imagens voadoras mais realistas e excitantes que já tinham sido vistas.

© BrunoPress
A morte dos 'Hell's Angels'
Hughes alcançou seu objetivo, mas a um grande custo. O filme levou três anos para ser feito e custou US$ 4 milhões, o que era um valor astronômico na época. O custo de vidas humanas era ainda maior. Hughes forçou os pilotos de acrobacias a fazerem truques cada vez mais extremos e perigosos. Três morreram tentando.

© Getty Images
Marlene Dietrich e Greta Garbo
Embora Marlene Dietrich e Greta Garbo tivessem muitas semelhanças, vieram da Europa para Hollywood na mesma época e tinham quase a mesma idade, elas nunca se gostaram. Pelo menos não publicamente. Houve uma grande disputa em torno de um filme perdido chamado "The Joyless Street" de 1923 (A Rua Sem Alegria, em tradução livre). Garbo apareceu no filme e alguns afirmam que Dietrich também, mas Dietrich negou firmemente.

© Getty Images
Marlene Dietrich e Greta Garbo
Uma historiadora de cinema conduziu uma extensa pesquisa das imagens do filme que sobreviveram e acredita que Dietrich apareceu no filme. A pesquisadora também acredita que a razão pela qual a atriz mentiu é porque Dietrich e Garbo teriam tido um caso intenso, mas de curta duração, enquanto filmavam "The Joyless Street", o que as afastou pelo resto de suas vidas.

© Getty Images
A morte da máfia
Lana Turner tinha um gosto perigoso para homens. Em 1958, ela estava namorando um conhecido mafioso chamado Johnny Stompanato. Ele foi encontrado esfaqueado na casa de Turner e a filha de 14 anos dela foi presa pelo assassinato.

© Getty Images
A morte da máfia
A filha de Turner explicou que agiu em legítima defesa, tentando proteger sua mãe da violência de Stompanato. A própria Lana Turner foi ao tribunal explicar os acontecimentos daquela noite horrível. No final, o júri decidiu que foi um ato justificável de legítima defesa. Na época, rumores diziam que foi Turner quem matou Stompanato e que ela convenceu a filha a assumir a culpa.

© Getty Images
Os amigos nazistas de Walt Disney
Muitas pessoas acreditam firmemente que Walt Disney pode ter sido um antissemita, embora haja poucas evidências concretas para provar isso. Independentemente da falta de provas, ele não teve problemas em associar-se com pessoas abertamente hostis a judeus e orgulhosos disso!

© Getty Images
Os amigos nazistas de Walt Disney
Em 1938, Disney convidou a cineasta nazista Leni Riefenstahl para um passeio na Disneylândia. Isso foi pouco depois do mais famoso filme de propaganda nazista dela e de Kristallnacht 'Triunfo da Vontade' (1935) estrear. Disney foi o único chefe de estúdio a receber Riefenstahl quando ela visitou Hollywood.

© Getty Images
A dieta forçada de Judy Garland
Judy Garland assinou com a MGM ainda adolescente, mas a pressão para permanecer magra e trabalhar por horas sendo humilhada começou imediatamente. Aos 14 anos, produtores e membros da equipe insultavam sua aparência, chamando-a de nomes horríveis e dizendo que ela parecia uma "p o r c a gorda com tranças".

© Getty Images
A dieta forçada de Judy Garland
Aos 18 anos, o fundador da MGM, Louis B. Mayer forçou-a a entrar numa dieta extrema que era composta principalmente de café, cigarros e pílulas dietéticas. As chamadas "pílulas pep" foram usadas para manter Garland magra e acordada pelo tempo que precisassem que ela trabalhasse. Depois, eles lhe davam remédio para dormir por algumas horas e a acordavam novamente com os comprimidos. Sem dúvida, eles estavam dando-lhe anfetaminas e barbiturados, uma droga sintética que coloca a pessoa numa espécie de coma. Óbvio que ela desenvolveu um sério vício em drogas, que a levou à m o r t e aos 47 anos.

© Getty Images
A cultura da pílula diet
Judy Garland não foi a única vítima dessa gestão tóxica. Debbie Reynolds lembra de ter sido enviada a um médico para "doses de vitaminas" pela MGM Studios porque sua saúde estava debilitada devido às longas horas de trabalho. As "doses de vitamina" eram na verdade anfetaminas, que também tinham a função de controlar seu peso. Felizmente, ela recusou.

© Getty Images
Estrelas pressionadas a fazer abortos
Algumas das maiores estrelas de Hollywood, como Judy Garland, Jean Harlow e Joan Crawford, foram pressionadas a fazer abortos pelos estúdios que tinham contratos. Os estúdios controlavam a vida de seus atores até um ponto que é inimaginável hoje.

© Getty Images
Estrelas pressionadas a fazer abortos
Inúmeras estrelas fizeram abortos organizados pelos estúdios contra seus desejos. Se uma atriz fosse solteira ou tivesse um caso, ela seria enviada ao hospital sob um pseudônimo para fazer o procedimento.

© Getty Images
O affair de Ingrid Bergman
Ingrid Bergman era uma estrela de Hollywood saudável, "feliz e casada". Isso era o que os fãs precisavam acreditar para que ela permanecesse empregada. Durante as filmagens do filme "Stromboli", em 1949, Bergman começou a ter um caso com o diretor italiano Roberto Rossellini. Ambos eram casados na época e acabaram deixando seus cônjuges para ficarem juntos, em parte porque Bergman engravidou.

© Getty Images
O affair de Ingrid Bergman
Isso arruinou completamente a reputação da atriz que perdeu seus muitos fãs. Como era de costume na época, políticos e figuras públicas sentiram a necessidade de falar e denunciar seu comportamento. Ela foi chamada até de "uma poderosa influência para o mal". Bergman e Rossellini se casaram e tiveram dois filhos. Um tempo depois, eles se divorciaram. Ela participou de outros grandes filmes e o escândalo ficou como uma memória distante na mente do público.

© Getty Images
A morte do Super-Homem
George Reeves era o Super-Homem original. Ele morreu em 1959. Embora a discurso oficial afirmasse que ele tirou a própria vida, havia rumores de crime. Análises posteriores sugerem que é improvável que ele tenha morrido pelas próprias mãos. Reeves estava tendo um caso com a esposa do poderoso produtor de Hollywood Eddie Mannix. E como sabemos da história de Joan Crawford, Mannix tinha conexões com a máfia!

© Getty Images
As noivas adolescentes de Charlie Chaplin
Charlie Chaplin se casou quatro vezes na vida. Ele tinha 29 anos no primeiro casamento e 53 no último. Suas esposas, porém, não acompanharam a idade do astro. As duas primeiras noivas tinham 16 anos. Ele teve que ir para o México para se casar com a segunda esposa e evitar as leis da Califórnia.

© Getty Images
As noivas adolescentes de Charlie Chaplin
Chaplin casou-se com sua terceira esposa quando ele tinha 47 anos e ela 20 - o que parecia aceitável. Mas ele teve uma recaída com a quarta e última esposa, que tinha 18 anos.

© Public Domain
O fim trágico de Peg Entwistle
Peg Entwistle foi uma jovem atriz britânica que foi para os EUA perseguir seu sonho de se tornar uma estrela. Ela atuou numa peça ao lado de Humphrey Bogart e teve alguns outros pequenos papéis depois disso, mas nada perto de se tornar uma estrela de Hollywood. Infelizmente, com a Crise de 1929, os papéis se tornaram ainda mais difíceis de encontrar. Ela perdeu o contrato com os estúdios RKO e tinha pouquíssima chance de se tornar famosa.

© Getty Images
O fim trágico de Peg Entwistle
Em 16 de setembro de 1932, Entwistle deixou sua casa, afirmando que estava indo à farmácia. Em vez disso, ela caminhou até o famoso letreiro de Hollywood, subiu ao topo da letra "H", e se jogou. Ela tinha 24 anos. Sua m o r t e tornou-se infame, e ela é conhecida como a garota do sinal de Hollywood. Parte de sua história foi contada no drama da Netflix 'Hollywood'.

© Getty Images
A morte suspeita de Ted Healy
Ted Healy era um artista de vaudeville, comediante e o criador de 'Os Três Patetas'. Ele morreu em 1937 depois de ser brutalmente espancado do lado de fora da boate Trocadero em Los Angeles. Os relatos de sua morte diferem bastante, levando muitos a acreditar que havia pessoas poderosas envolvidas e que um encobrimento foi orquestrado.

© Getty Images
A morte suspeita de Ted Healy
Alguns relatos dizem que os homens que mataram Healy foram o ator Wallace Beery, o futuro produtor de 'Batman' Cubby Broccol e um mafioso de Nova York. O boato é que grandes poderosos de Hollywood como Louis B. Mayer e Eddie Mannix encobriram tudo.

 © Getty Images
O crime de Spade Cooley
Spade Cooley era um astro da música country de extremo sucesso que até tinha seu próprio programa de TV. Mas ele tinha a reputação de ser irritadinho e seus defeitos só cresceram à medida que ele se tornava mais bem sucedido. Ele ficou paranoico e tinha o hábito de gastar todo o dinheiro que ganhava.

© Getty Images
O crime de Spade Cooley
Ele se convenceu de que sua segunda esposa, Ella Mae, estava tendo um caso. E perdeu a cabeça completamente. Ele bateu nela por horas, na frente da filha, até a m o r t e. Ele foi condenado pelo assassinato, mas seus amigos famosos pressionaram o então presidente Ronald Reagan a perdoar Cooley. Por alguma razão, Reagan concordou. No entanto, Cooley morreu de ataque cardíaco antes de ser perdoado.

Casal de Anônimo Feliz, 1948

Manter as memórias vivas pode ser feito de várias maneiras, mas as fotografias são provavelmente uma das mais comuns. As fotos capturam um momento da história, da memória e servem como um lembrete de como ela costumava ser. No entanto, as fotos realmente antigas são em preto e branco, por isso muitas vezes é difícil se relacionar com elas e se ver naquela época.

É aí que entra o artista digital Sébastien de Oliveira. Sébastien usa o Photoshop para colorir fotos antigas e dar-lhes mais vida. As pessoas nas fotos parecem muito mais realistas e as fotos se tornam muito mais convidativas.

Sébastien disse: “Sébastien de Oliveira, francês, pai português e mãe francesa, moro em Paris, casado, duas filhas. Para a minha formação, estudei numa escola de belas artes em Orléans, com a minha especialização em ilustração e fotografia , depois me mudei para Milão, onde morei por 7 anos e trabalhei como ilustrador de arquitetos e como assistente de ilustrador de moda. Mudei-me para Paris há 17 anos para me tornar retocador para a indústria da moda."

Circus Girls In Sarasota, Florida, de Nina Leen em 1949

Blue Island, Illinois. A Família Senise Indo assistir Filme, por Jack Delano, fevereiro de 1943

Chicago, 1941

Jacqueline Cochran, (1906-1980), 1939

Althea Gibson Vencedora do campeonato de Wimbledon com sua compatriota Darlene Hard, 1957

Audrey Hepburn (1929-1993) In 1956

Carros e garotas, 1942

Garotas parisienses curtindo a feira divertida, Paris, 1935

Família de catadores de cerejas, de John Vachon, 1940

Nova York em 1942, por Marjory Collins

Praia do tempo de guerra em uma costa inglesa, 1941

Dia chuvoso em Pittsburgh, por John Vachon, junho de 1941

Ao longo da California Highway Us99, 1937. Por Dorothea Lange

Sábado à tarde em Florence, Alabama, junho de 1942. Por Arthur Rothstein

Bar no Central Park em Nova York por Marjory Collins, 1942

Anônimo, França, 1967

O'reilly Bar, Nova York, por Marjory Collins. 1942

Marilyn Monroe descansando no conjunto dos desajustados, de Eve Arnold, 1960

Jovens atrizes tomando banho de sol para uma promoção cinematográfica durante o Festival de Cinema de Cannes de 1955

Washington em 1935

Soldado americano retorna para casa após a 1ª Guerra Mundial de 1919

Piquenique em família ao longo do Rio Cane perto de Natchitoches, Louisiana, por Marion Post Wolcott, 4 de julho de 1940

Espectadores em uma corrida em Worthington, Maryland, por Marion Post Wolcott. 1941

Bergman, Hemphrey Bogart e Michael Curtis no set de "Casablanca" 1939

Union Station, Chicago, de Jack Delano, 1943

Texas, 1939

Glen Echo Park, Condado de Montgomery, Maryland, abril de 1943

Esperando o ônibus, 1943

Soldados franceses de licença em Paris, Gare de l’Est, 1916

Mais informações: Instagram

$ok={Aceitar!} $days={7}

O "Minha Cidade em Foco" usa cookies para melhorar sua experiência. Saber mais

MKRdezign

{facebook#http://www.facebook.com/MundoMS} {twitter#http://twitter.com/MundoMSOficial} {google-plus#http://plus.google.com/+MundoMSOficial} {pinterest#http://br.pinterest.com/MundoMS/} {youtube#http://www.youtube.com/c/MundoMSOficial} {instagram#http://www.instagram.com/mundomsoficial}

Fale com o Mundo MS

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget