06/16/15

Homem observa erupção do Sinabung, em Tiga Serangkai(Foto:divulgação) 

Mais de 10.000 habitantes de zonas vizinhas ao vulcão Sinabung, no oeste da Indonésia, foram retiradas de suas casas desde o início de junho por causa das violentas erupções. Todos as pessoas foram alojadas em prédios públicos ou templos em Kabanjahe, uma cidade próxima na ilha de Sumatra. 

Ontem, o Sinabung registrava uma importante atividade vulcânica, projetando cinzas, pedras e fumaça a três quilômetros de distância, declarou uma fonte da estação de observação do Monte Sinabung, que fica a 2.500 metros de altitude. 

Segundo a fonte, pode levar semanas até o vulcão voltar a se acalmar. Em fevereiro de 2014, uma erupção do Sinabung causou a morte de 16 pessoas. Sinabung é um dos 129 vulcões ativos na Indonésia, um arquipélago situado no chamado “cinturão de fogo do Pacífico”. 

O vulcão Merapi, o mais ativo do país e localizado na ilha de Java, a 2.900 metros de altitude, registra desde 2010 uma série de erupções que já causaram a morte de 350 pessoas. As imagens do vulcão de longe mostram a chamada nuvem piroclástica, fenômeno natural que arrasta cinzas em um fluxo de gás a até 1500°C e podendo atingir grandes velocidades.

Da France Presse


A antológica cena de Marilyn no filme "O pecado mora ao lado", de Billy Wilder, em 1955(Foto:divulgação) 

Do Portal Metrópole

Um oficial aposentado da CIA de 78 anos de idade, Normand Hodges, fez uma série de confissões surpreendentes desde que foi internado no Hospital Sentara Geral. Ele afirma que cometeu 37 assassinatos para o governo americano entre 1959 e 1972, incluindo a atriz e modelo Marilyn Monroe.

Sr. Hodges, que trabalhava para a CIA por 41 anos como um agente com habilitações de segurança de nível superior, alega que ele foi muitas vezes empregado como um assassino pela organização, para assassinar indivíduos que podiam representar uma ameaça à segurança do país.

Treinadopor um franco-atirador e um especialista em artes marciais, o sr. Hodges diz que também tem uma experiência significativa com métodos menos convencionais de infligir danos aos outros, como venenos e explosivos.

Mr. Hodges jura que se lembra vividamente de cada um dos assassinatos que cometeu para a CIA. Ele afirma que todos os 37 dos assassinatos cometidos no solo americano foram ordenados por seu comandante, major James “Jimmy” Hayworth.

O homem idoso alega que cometeu seus assassinatos entre agosto de 1959 e março de 1972, num momento em que ele diz que “a CIA tinha sua própria agenda”. Ele diz que ele era parte de uma célula operacional de cinco membros que realizou assassinatos políticos em todo o país.

A maioria de suas vítimas era ativistas políticos, jornalistas e dirigentes sindicais, mas ele também afirma que matou alguns cientistas e artistas cujas ideias representavam uma ameaça para os interesses dos Estados Unidos.

Mr. Hodges diz que Marilyn Monroe permanece única entre as suas vítimas, já que ela é a única mulher que ele assassinou. Ele afirma que não se lamenta, no entanto, ele diz que ela se tornou uma “ameaça para a segurança do país” e teve que ser eliminada. “Tivemos evidências de que Marilyn Monroe não só tinha dormido com Kennedy, mas também com Fidel Castro”, afirma M. Hodges “Meu comandante, Jimmy Hayworth, me disse que ela tinha que morrer, e que tinha que parecer um suicídio ou overdose. Eu nunca tinha matado uma mulher antes, mas eu obedeci as ordens. Eu fiz isso para a América! Ela poderia ter transmitido informações estratégicas para os comunistas, e não podíamos permitir isso! Ela tinha que morrer! Eu só fiz o que tinha que fazer!”, narra.

Marilyn Monroe morreu em 5 de agosto de 1962, há 52 anos. O sr. Hodges afirma que ele entrou em seu quarto enquanto ela dormia e lhe injetou uma dose maciça de hidrato de cloral (um poderoso sedativo), misturado com Nembutal (a curta ação barbitúrico), causando sua morte.

A testemunha mais importante na história depois de o próprio sr. Hodges, é seu suposto comandante, major James Hayworth, que morreu de um ataque cardíaco em 2011. Dois dos outros três “assassinos da CIA” identificados pelo sr. Hodges também estão mortos, e o último, o capitão Keith McInnis, desapareceu em ação em 1968 e é dado como morto.



O assassinato de Marilyn Monroe

O livro The Murder of Marilyn Monroe: Case Closed (Em tradução livre: O Assassinato de Marilyn Monroe: Caso Concluído) trouxe à tona mais uma polêmica sobre a morte da atriz, mas continua com dúvidas sem resposta. A obra, assinada pelos jornalistas investigativos Jay Margolis e Richard Buskin, afirma que a atriz não se suicidou, mas sim foi assassinada com uma injeção letal numa ação orquestrada por Robert Kennedy.

Segundo a obra, a intenção era silenciar Marilyn para que não revelasse seu romance com Bobby e seu irmão John Kennedy, então presidente dos Estados Unidos. O temor surgiu depois de Bobby ter descoberto a existência de um diário, onde a atriz detalhou a relação com os dois.

Segundo a obra, Bobby teria contado com a ajuda do ator Peter Lawford, e do psiquiatra de Marilyn, dr. Ralph Greenson. Segundo os autores, o livro traz depoimentos de testemunhas oculares e outras entrevistas.

O livro cita uma confissão que teria sida feita por Lawford num acesso de culpa: ‘Bobby Kennedy estava determinado a calá-la, independentemente das consequências. Foi a coisa mais louca que já fiz e eu estava louco o suficiente para deixar que isso acontecesse”.

Segundo o livro, o assassinato teria sido supostamente testemunhado pelo enfermeiro James C. Hall, que chegou na casa do astro de cinema e viu o dr. Greenson aplicando uma injeção no coração da atriz.

Depois de um romance com JFK, Marilyn teria se encantado por Bobby. Apaixonada, ela teria ouvido de Bobby uma promessa de casamento. No entanto, quando Bobby começou a se afastar, a atriz passou a ameaçá-lo, dizendo que daria uma entrevista coletiva para revelar seus casos com os irmãos Kennedy e todos os segredos perigosos que sabia sobre a família.

E disse que tinha escrito tudo num pequeno diário, que mantinha escondido.

Nervoso, o irmão do presidente teria ido à casa da atriz na tarde do dia 04 de agosto de 1962 para encontrar o diário. Os dois brigaram e a atriz teria ameaçado Bobby com uma faca. Ele foi embora e retornou no mesmo dia à noite, com dois seguranças, e só saiu por volta da 10h30 da noite.

Mais tarde, a governanta da atriz, Eunice Murray, que teria se incomodado com os latidos incensantes do cachorro da atriz, pediu ao filho que fosse ver o que estava acontecendo. Norman Jefferies encontrou Marilyn deitada sobre a cama, com a cabeça caída para fora e chamou uma ambulância, suspeitando de overdose. Os enfermeiros chegaram e ainda tentaram uma massagem cardíaca para reanimá-la, mas não tiveram sucesso.

Após a morte, o livro afirma que os Kennedy teriam até subornado testemunhas para que nada fosse revelado. The Murder of Marilyn Monroe: Case Closed chegou às livrarias americanas no dia 3 de junho.

Recomende e compartilhe para seus amigos no facebook

ivythemes

{facebook#http://facebook.com} {twitter#http://twitter.com} {google-plus#http://google.com} {pinterest#http://pinterest.com} {youtube#http://youtube.com} {instagram#http://instagram.com}

MKRdezign

{facebook#http://www.facebook.com/MundoMS} {twitter#http://twitter.com/MundoMSOficial} {google-plus#http://plus.google.com/+MundoMSOficial} {pinterest#http://br.pinterest.com/MundoMS/} {youtube#http://www.youtube.com/c/MundoMSOficial} {instagram#http://www.instagram.com/mundomsoficial}

Envie seu Recado ao Mundo MS🌏

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget