2019

Quem não gosta de assistir lontras brincar, dar as mãos e usar a barriga uma das outras como balsas? As lontras-marinhas, que vivem nas áreas costeiras do norte do Oceano Pacífico, são animais icônicos, seu charme as tornam ótimas mascotes para os esforços de proteção ambiental, e sua importância para os ecossistemas locais não pode ser subestimada.

Infelizmente, as lontras marinhas são ameaçadas pela poluição, caça furtiva e pesca comercial, o que às vezes leva as lontras a chegarem à costa sem vigilância. Mas, graças aos esforços dos aquários, onde as pessoas podem cuidar delas o tempo todo e ensinar-lhes habilidades para a vida, até as órfãs de lontras têm a chance de chegar à idade adulta.



Outro motivo pelo qual a criação de lontras órfãs não é fácil é porque elas ficam doentes facilmente por não receberem anticorpos do leite da mãe, uma condição com a qual você deve estar familiarizado se você já teve que alimentar gatinhos ou filhotes abandonados com mamadeiras.



Muitas lontras órfãs que são criadas por este período difícil por seres humanos são determinadas por especialistas em vida selvagem como inviáveis, o que significa que elas se domesticaram demais em convivência com seres humanos para poderem voltar a vida selvagem e acabam tendo que viver em cativeiro permanentemente.





De acordo com o International Otter Survival Fund, das 13 espécies de lontras do mundo, as únicas que não são ameaçadas ou ameaçadas de extinção são as lontras norte-americanas, que vivem em quase todos os lugares nos Estados Unidos e no Canadá, exceto nas Montanhas Rochosas e áreas secas.

Algumas lontras de rio também entraram nessa lista - elas são um pouco mais elegantes que as filhotes de lontras marinhas, mas são igualmente fofas.


















Mudança nas regras beneficiaria as distribuidoras, podendo inviabilizar a produção em menor escala

A produção de energia limpa que mais cresce no Brasil é a de Geração Distribuída (GD), com expansão de 150% entre 2018 e 2019. Entretanto, a energia solar está correndo risco antes mesmo de deslanchar. A revisão de uma norma, proposta pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), pode retirar os subsídios do setor.

Conectada diretamente à rede de distribuição, a GD avança por meio da energia solar fotovoltaica. Desde 2012, a Resolução Normativa (REN) n° 482 da Aneel garante o sistema de compensação, quando a energia excedente gerada por um consumidor pode ser injetada na rede e abatida do consumo mensal. A regulação, contudo, será modificada até junho de 2020, e está em consulta pública até 30 de dezembro.

A mudança gerou muitas reclamações por parte da cadeia de energia solar, que hoje é isenta de encargos e impostos pelo uso do fio - e passará a pagar. O governo e as concessionárias, responsáveis pela rede de distribuição, dizem que o custo é repassado para os consumidores que não geram energia. O Ministério da Economia e a Aneel alegam que o setor não precisa de subsídio, cujo custo para os brasileiros pode chegar a R$ 54 bilhões em 2030. Segundo o setor, com a taxação, os investimentos serão inviabilizados, visto que o retorno do investimento ocorrerá em 26 anos, período superior à vida útil dos equipamentos fotovoltaicos.

A audiência pública se encerra no fim do ano e mais de mil contribuições são contabilizadas. A Aneel promete avaliar tudo no primeiro semestre de 2020 e decidir em meados de junho. Segundo Carlos Alberto Calixto Mattar, superintendente de Regulação dos Serviços de Distribuição da Aneel, a proposta é de que os consumidores que produzem energia solar paguem pela utilização da rede de distribuição "na exata medida de seu uso". "Se nada for feito, em 2021, os que geram energia solar vão deixar para os demais uma conta a pagar de R$ 1 bilhão", afirma.


Rodrigo Sauaia, presidente da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), afirma que a GD proporciona mais ganhos do que custos. "Os benefícios são elétricos, econômicos, sociais e ambientais. Todo mundo ganha com a água economizada, com a termelétrica que não é acionada, sem perdas e com alívio nas redes. Evita investimento em novas linhas de transmissão, é energia limpa e sustentável", diz.

O professor da Universidade da Califórnia, Rodrigo Ribeiro Antunes Pinto, compara o sistema no Brasil com o do estado norte-americano. "Na Califórnia, são 40 milhões de habitantes e geração de 80,3 gigawatts (GW), dos quais 13%, ou 10,7 GW, são provenientes de fonte solar. No Brasil, são 210 milhões de habitantes, geração de 157 GW e apenas 0,6% solar", diz. "O que a Aneel propõe é usar uma taxação que só ocorre em locais com contribuição muito maior da energia solar. A Califórnia produz dez vezes mais do que todo o Brasil, tem 60 vezes mais painéis por habitante. Deveria estar desesperada para acabar com isso. Mas o estado subsidia 30% o setor, o direito de troca de energia é de 1 para 1 (da produzida pela consumida) e esses termos são garantidos por 20 anos", explica. "Tem alguma coisa muito errada ocorrendo no Brasil", conclui o professor.


União Astronômica Internacional convidou mais de 110 países para o batismo de exoplanetas

Dois corpos celestes, um planeta e uma estrela, foram descobertos em 2001 e receberam os nomes de "HD 23079 b" e "HD 23079", respectivamente. Agora, eles foram rebatizados com nomes bem mais agradáveis, principalmente para os brasileiros.

"Guarani" e "Tupi", esses são os novos nomes do planeta e de sua estrela, respectivamente. Em 2019, a União Astronômica Internacional (IAU) completou 100 anos e convidou mais de 110 países para o batismo de exoplanetas, aqueles localizados fora do Sistema Solar.

No Brasil, a campanha "NomeieExoMundos" - NameExoWorlds - começou em abril deste ano com a formação de uma comissão de especialistas, que estabeleceu regras para a aceitação de nomes.

Foram recebidas 977 sugestões entre junho e setembro de 2019, das quais a comissão separou 14 para votação do público. Dos 7 mil votos, "Guarani" e "Tupi" foram os vencedores com 15% deles.

Foto: Nasa/ESA/ESO
A IAU informou, em nota, que "em reconhecimento ao Ano Internacional das Línguas Indígenas promovido pela ONU em 2019, os falantes de línguas indígenas foram incentivados a propor nomes dessas línguas, e algumas dezenas de nomes selecionados são de etimologia indígena".

Outros planetas e estrelas também foram batizados por outros países, confira:

  • Irlanda: o exoplaneta HAT-P-36b foi batizado de "Bran", enquanto a estrela HAT-P-36 foi chamada de "Tuiren". Os nomes são referência aos cães mitológicos da lenda irlandesa "O Nascimento de Bran".
  • Argentina: o exoplaneta HD 48265b foi batizado de "Naqaya", enquanto a estrela HD 48265 recebeu o nome de "Nosaxa". Os nomes foram sugestão do líder da comunidade indígena Moqoit e significam "irmão-família-parente" e "primavera", no idioma Moqoit.
Eric Mamajek, copresidente do Comitê Gestor "NameExoWorlds" afirmou: "As observações astronômicas levadas até agora descobriram mais de 4 mil planetas ao redor de outras estrelas - os chamados exoplanetas".

"Enquanto os astrônomos catalogam suas novas descobertas usando designações semelhantes a números de telefone, tem havido um interesse crescente entre os astrônomos e o público em também atribuir nomes próprios, tal como é feito para os corpos do Sistema Solar", completou Mamajek.

Via: G1

Peixe transparente
O mundo é um lugar intrigante. No entanto, nossa vida cotidiana mundana às vezes nos faz esquecer isso. Para lembrá-lo das coisas interessantes ao nosso redor, compilamos uma coleção de fotos raramente vistas, e elas definitivamente devem pegá-lo desprevenido. Mas de uma maneira totalmente boa.

De um grão de areia ampliado 300 vezes a uma borboleta que é metade macho e metade fêmea, incluímos o comum e o raro. Dessa forma, você poderá redescobrir o comum e expandir sua visão de mundo.

É assim que alguns grãos de areia se parecem quando ampliados de 100 a 300 vezes
Gary Greenberg se apresenta como cientista, autor, professor e fotógrafo que combina sua paixão pela arte e pela ciência, explorando as dimensões ocultas da natureza. "Os segredos da natureza são visíveis em todos os lugares. No entanto, eles permanecem em segredo até serem revelados", escreveu ele em seu site. "Os milagres da natureza são tangíveis e podem ser vistos diretamente no microscópio. A magnificência da natureza está em sua consciência. Quando comungamos com a natureza, nos tornamos conscientes de nossa conexão com o universo ".

E ele sabe do que está falando. Greenberg inventou as lentes 3D de alta definição nas quais ele tira suas fotos, resultando em 18 patentes nos EUA sob seu nome. Ele era fotógrafo e cineasta até os 33 anos, quando se mudou de Los Angeles para Londres e obteve um doutorado em pesquisa biomédica. Isso lhe deu uma apreciação única pelas curiosidades biológicas e científicas e pelas tecnologias ópticas de macrofotografia que ele precisaria para documentá-las.

A composição da areia pode variar drasticamente dependendo de onde é, mas esse grão é de uma praia no Havaí, onde o Dr. Greenberg está localizado.

Um lar de idosos também é uma cidade coberta. Há um cinema e um pub

Esta abelha puramente dourada pousada sobre o painel de um carro

Esse carinha transparente pousada em uma mão na Amazônia equatoriana

Rochas no lago Baikal
Rochas no lago Baikal são aquecidas pela luz do sol de vez em quando e derretem o gelo embaixo. Depois que o sol se vai, o gelo volta a ficar sólido novamente, criando um pequeno suporte para a rocha acima. É chamado de Baikal Dzen.

Lindo gatinho tem os olhos de dinossauro

Caracol de concha cristalina

Sol visto através de uma lente UV

O gato cego Soren tem olhos incríveis

Esta é uma máquina de escrever musica: como as notas musicais foram digitadas antes dos computadores.

As abelhas azuis existem (abelha de carpinteiro azul)

Um cavalo de cabelos encaracolados

Esta lesma do mar, que parece uma folha, pode ficar sem comer por 9 meses, porque pode fotossintetizar como uma planta enquanto se aquece ao sol

140 milhões de anos, fêmur de dinossauro de 500 kg descoberto na França

Casa envolta em gelo após a recente nevasca em Ohio (na margem do lago Erie)

Tulipas florescendo na neve

Facilidade de vida assistida feita para parecer uma pequena cidade americana dos anos 40

Esta borboleta é um ginandromorfo bilateral, literalmente metade macho, metade fêmea

Nasa - foto de Plutão
A sonda New Horizons da NASA capturou essa visualização em cores aprimorada de alta resolução de Plutão em 14 de julho de 2015. A imagem combina imagens em azul, vermelho e infravermelho tiradas pela Ralph / Multispectral Visual Imaging Camera (MVIC). A superfície de Plutão ostenta uma notável variedade de cores sutis, aprimoradas nessa visão para um arco-íris de azuis pálidos, amarelos, laranjas e vermelhos profundos. Muitas formas de relevo possuem suas próprias cores distintas, contando uma história geológica e climatológica complexa que os cientistas apenas começaram a decodificar. A imagem resolve detalhes e cores em escalas tão pequenas quanto 1,3 km.

Este chuveiro formado naturalmente dentro de uma caverna

Vários ovos de dinossauro petrificados.

Sapo muito pequeno

É assim a aparência uma "lagosta dividida". Essa coloração ocorre uma vez em cada 50 milhões de lagostas
Esta lagosta de cor dividida exibe uma condição conhecida como ginandromorfia, o que significa que é metade macho e metade fêmea. Nesse caso, o lado azul é o lado feminino e o lado marrom é o lado masculino.

Lapso de tempo fotos de uma colméia

Janez Brajkovic, ex-campeão do mundo de pernas, após uma corrida

Este Blue Jay ainda tem metade de suas penas de bebê

Vértebras de baleia fin debaixo da água perto de Kongsfjorden, Noruega

Um gafanhoto roxo encontrado em um jardim

Girassol gigante 

Girassol bicolor 

Piscina de arco-íris 

Mãos com 6 dedos em cada

Servo albino

A banana azul de Java, que é dita ter a mesma consistência que o sorvete e um sabor semelhante ao da baunilha

Valônia Ventricosa, o maior organismo unicelular da Terra. Sim, esta é uma única célula viva

Uma das rochas mais antigas da existência, o meteorito de Murchison. Tem 4.600.000.000 de anos e provavelmente já existia antes que a própria Terra tivesse se formado completamente
Curiosamente, ele também contém aminoácidos, os componentes químicos do DNA.

Tang azul translúcido

Essas não são árvores
Flâmulas positivas (que são canais iônicos com carga positiva) se erguem do chão. Quando um deles encontra um líder de escalão com carga negativa, isso resulta em um raio.

Curiosas nuvens vistas dajanela de um avião

Campo de cannabis no meio de um milharal 

Existem cavernas no México com cristais do tamanho de árvores, mas você não pode explorar as cavernas por muito tempo devido ao calor e à atmosfera tóxica. 

O que aparenta ser uma pilha de vidro quebrado é na verdade um lago congelado em Michigan

Esta margarida é mutante

Um menino nascido com 268 gramas foi enviado para casa saudável após meses na unidade de atendimento neonatal em Tóquio. Ele é a menor criança a nascer e sobreviver

O rosto de uma formiga sob microscópio eletrônico

Júpiter visto do pólo sul

Você pode ver onde as unhas dessa pessoa pararam e começaram a crescer novamente entre os ciclos de quimioterapia

Pegadas de dinossauros preservadas na França

Australiano impedindo alastramento de incêndio

Recomende e compartilhe para seus amigos no facebook

ivythemes

{facebook#http://facebook.com} {twitter#http://twitter.com} {google-plus#http://google.com} {pinterest#http://pinterest.com} {youtube#http://youtube.com} {instagram#http://instagram.com}

MKRdezign

{facebook#http://www.facebook.com/MundoMS} {twitter#http://twitter.com/MundoMSOficial} {google-plus#http://plus.google.com/+MundoMSOficial} {pinterest#http://br.pinterest.com/MundoMS/} {youtube#http://www.youtube.com/c/MundoMSOficial} {instagram#http://www.instagram.com/mundomsoficial}

Envie seu Recado ao Mundo MS🌏

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget