01/28/12


Objeto espacial denominado 2012 BX34 esteve a 60 mil quilômetros do nosso planeta, um quinto da distância para a Lua


Um asteroide do tamanho de um ônibus passou de raspão pela Terra na noite desta sexta-feira, 27, informou o serviço de acompanhamento de asteroides da Agência Espacial Americana (Nasa).
Segundo calcularam os astrônomos da Nasa, o objeto viaja a 9,9 quilômetros por segundo - JPL-Caltech/Nasa
JPL-Caltech/Nasa
Segundo calcularam os astrônomos da Nasa, o objeto viaja a 9,9 quilômetros por segundo
O asteroide 2012 BX34 esteve a 60 mil quilômetros do planeta, um quinto da distância para a Lua, mas não apresentou risco de colisão, afirmaram os especialistas por meio do Twitter. Ainda assim, foi um dos objetos espaciais a chegar mais próximo da Terra.
"Não conseguiria passar intacto por nossa atmosfera", explicaram os cientistas do Observatório de Asteroides da Nasa.
Segundo calcularam os astrônomos, o asteroide mede cerca de 11 metros de diâmetro e viaja a 9,9 quilômetros por segundo, mas ainda assim foi catalogado dentro da categoria de "objetos pequenos".
"Asteroides tão pequenos como este são difíceis de detectar e felizmente não causam a menor preocupação. Nosso objetivo é encontrar os maiores", acrescentaram.
A Nasa detecta e rastreia habitualmente os asteroides e cometas que passam perto da Terra usando telescópios terrestres e espaciais por meio do programa "Spaceguard", para averiguar se algum deles poderia ser potencialmente perigoso para o planeta.
Em 2009, lançou o satélite explorador infravermelho (Wise, na sigla em inglês) com a missão de detectar a presença de objetos próximos à Terra, que permitiu elaborar um completo mapa de asteroides.
Segundo dados publicados pela Nasa em setembro do ano passado, há 19 mil e 500 asteroides de tamanho médio vagando perto da Terra. 

RIO - Os trabalhos de retirada de entulhos dos três prédios que desabaram no Centro do Rio já estão na reta final. Foi suspensa a utilização de equipamentos pesados e os bombeiros agora trabalham com uma escada Magirus na retirada de parte do vão das escadas do Edifício Liberdade, que ainda ficou presa ao prédio do lado.  




 Bombeiros procuram sobreviventes nos escombros - Fabio Motta/AE
Fabio Motta/AE
Bombeiros procuram sobreviventes nos escombros
Os bombeiros usam enxadas e alicates para soltar pedaços de concreto que ameaçam cair. Há parentes de cinco desaparecidos ainda à espera de notícias, o que pode elevar para 22 o número de mortos na tragédia. O 16º e 17º corpos foram encontrados na madrugada deste sábado.  A expectativa é de que os trabalhos de busca dos bombeiros se estendam até a manhã deste domingo.
O secretário Estadual de Defesa Civil, Sérgio Simões, que acompanha o trabalho das equipes de resgate no local, disse que irá enviar ainda hoje máquinas e equipes com cães farejadores para o terreno onde estão sendo depositados os entulhos, na Rodovia Washington Luís, na Baixada Fluminense.
Na sexta-feira, foi achado um corpo de mulher, já muito dilacerado, entre os escombros e o secretário não descarta a possibilidade de que corpos de outras vítimas possam estar no local.
Tristeza e indignação
Durante o enterro de Margarida Vieira de Carvalho, de 65 anos, moradora do 20º andar do Edifício Liberdade, que desabou na noite de quarta-feira no centro, amigos cobraram explicações das autoridades para o acidente. Também lembraram os planos da vítima de voltar com o marido, Cornélio Ribeiro Lopes, de 73 anos, para Hidrolândia, no Ceará, em fevereiro. Cornélio era porteiro do prédio há vinte anos e também está entre as vítimas fatais do acidente.
Uma comissão do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea) investiga se duas obras realizadas no terceiro e no nono andar do edifício estão entre as causas do desabamento.
"As obras são feitas sem controle, o desenho original é modificado. Quem é responsável por isso tudo? Tem que ser cobrado. Quem são os órgãos encarregados de fiscalização? Não existem. Não pode fazer uma vistoria a cada vinte anos", afirmou o advogado aposentado Oscar de Oliveira Neto. O advogado contou que Margarida trabalhou durante dez anos em sua casa como doméstica.
"Margarida me disse que em fevereiro eles iam voltar para Hidrolândia, eles já tinham onde morar lá. Cornélio tinha tido problemas no coração, eles queriam viver com mais tranquilidade", contou a servente Maria do Socorro Vieira das Chagas, moradora da favela da Rocinha.
Sobrinha e parente mais próxima de Margarida, que não tinha filhos, a atendente de supermercado Joana D'Arc estava inconsolável no enterro da tia e segurava durante todo o tempo uma foto de Margarida e Cornélio abraçados. Margarida foi a terceira vítima do acidente a ser enterrada. Hoje será sepultado também o corpo de Alessandra Alves Lima, de 29 anos.
(Com Luciana Nunes Leal, de O Estado de S. Paulo)

Recomende e compartilhe para seus amigos no facebook

ivythemes

{facebook#http://facebook.com} {twitter#http://twitter.com} {google-plus#http://google.com} {pinterest#http://pinterest.com} {youtube#http://youtube.com} {instagram#http://instagram.com}

MKRdezign

{facebook#http://www.facebook.com/MundoMS} {twitter#http://twitter.com/MundoMSOficial} {google-plus#http://plus.google.com/+MundoMSOficial} {pinterest#http://br.pinterest.com/MundoMS/} {youtube#http://www.youtube.com/c/MundoMSOficial} {instagram#http://www.instagram.com/mundomsoficial}

Envie seu Recado ao Mundo MS🌏

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget