Perda de peso e exercício não reduzem risco de infarto e derrame em diabéticos, segundo estudo

Uma mudança intensa no estilo de vida dos pacientes obesos com diabetes tipo 2 é capaz de melhorar a qualidade de vida e reduzir o risco de depressão, mas não de diminuir o risco de acidentes cardiovasculares, como ataque cardíaco e derrame. É o que revela o estudo Look Ahead (Action for Health in Diabetes, ou 'Ação Pela Saúde em Diabetes', em tradução livre) apresentado nesta segunda-feira (24) durante a reunião anual da ADA (Associação Americana de Diabetes), em Chicago (EUA).

De acordo com o estudo, os pacientes que participaram da intervenção, com base em perda de peso e atividade física, não reduziram o risco de infartos e derrames em comparação ao grupo que apenas recebeu educação em diabetes.

A pesquisa foi realizada com mais de 5.000 adultos obesos com idade entre 45 e 76 diagnosticados com diabetes tipo 2. Financiado pelos Institutos Nacionais de Saúde, nos EUA, o estudo buscou pacientes dispostos a mudar o estilo de vida, praticando atividade física e perdendo peso, enquanto outros receberiam apenas o suporte e educação em diabetes com três consultas por ano com nutricionistas, profissionais de educação física e apoio psicológico.

Os participantes que alteraram o estilo de vida inicialmente perderam 8,6% do peso e mantiveram uma perda de 6% de peso ao fim do estudo, mas o grupo não reduziu o risco de doenças cardiovasculares ou os níveis de LDL (colesterol ruim) em comparação aos que receberam educação em diabetes. Os pacientes que fizeram esse segundo tratamento perderam 0,7% de peso no início do estudo e 3,5% ao fim da intervenção.

Os participantes foram acompanhados por mais de 11 anos, além de receberem um acompanhamento médio de mais de 9 anos depois do término do estudo.



Mude seu dia a dia e deixe de ser sedentário
Já costuma usar escada? Que tal começar a subir de dois em dois degraus? Os glúteos e coxas agradecem. 
Getty Images

Resultado inesperado

''O principal objetivo era avaliar se uma mudança intensiva no estilo de vida reduziria o risco de mortalidade por doenças cardiovasculares'', afirma Rena Wing, professor de Psiquiatria e Comportamento Humano na Alpert Medical School, na Universidade de Brown, em Rhode Island.

Segundo Wing, o resultado inesperado pode ser oriundo de fatos que não foram previstos, como uso de medicamentos para diminuir o LDL, por exemplo. A pesquisa, no entanto, não descarta completamente a possibilidade da perda de peso minimizar os riscos de doenças cardiovasculares.

Outros riscos minimizados

Ainda que o grupo que alterou o estilo de vida não tenha tido nenhuma mudança significativa nos riscos de doenças cardiovasculares, eles diminuíram o risco de doenças nos rins, retinopatia e sintomas depressivos.

Outros benefícios encontrados no estudo foram a melhora da qualidade de vida, a redução de visitas aos hospitais e a redução nos custos. ''A pesquisa mostra que pacientes diabéticos tipo 2 conseguem perder o excesso de peso e reafirma que as atividades físicas devem ser praticadas para melhorar a saúde como um todo'', afirma Griffin P. Rodgers, diretor do Instituto Nacional de Diabetes.

Postar um comentário

DÊ SUA OPINIÃO, COMENTE ESSA MATÉRIA.

[facebook][blogger]

ivythemes

{facebook#http://facebook.com} {twitter#http://twitter.com} {google-plus#http://google.com} {pinterest#http://pinterest.com} {youtube#http://youtube.com} {instagram#http://instagram.com}

MKRdezign

{facebook#http://www.facebook.com/MundoMS} {twitter#http://twitter.com/MundoMSOficial} {google-plus#http://plus.google.com/+MundoMSOficial} {pinterest#http://br.pinterest.com/MundoMS/} {youtube#http://www.youtube.com/c/MundoMSOficial} {instagram#http://www.instagram.com/mundomsoficial}

Envie seu Recado ao Mundo MS🌏

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget