Os 14 lugares mais impressionantes do nosso sistema solar

A borda acidentada da Planície Sputnik de Plutão e a camada de gelo de nitrogênio-metano que preenche parcialmente seu solo. Imagem: Lunar and Planetary Institute/Paul Schenk/NASA/New Horizons

Nosso sistema solar é um lugar fascinante, com uma variedade de maravilhas celestiais. Entre os planetas, luas, cometas e asteroides, não faltam lugares para explorarmos. Lentamente, mas com muita certeza, estamos encontrando todo tipo de fenômenos incríveis – e às vezes inexplicáveis.

Apresentamos aqui alguns dos mais dramáticos e enigmáticos lugares do nosso sistema solar.

Monte Olimpo em Marte
Representação gerada por computador do Monte Olimpo. Imagem: Equipe Científica NASA/MOLA/ O. de Goursac, Adrian Lark
O Monte Olimpo de Marte, um dos maiores vulcões do sistema solar, apresenta muitas características de grandiosidade. Ele mede 600 km de diâmetro e seu cume se eleva a cerca de 24 km acima das planícies marcianas circundantes. O Monte Olimpo é o produto de fluxos excessivos de lava, provavelmente o resultado de menor gravidade superficial e frequentes taxas de erupção.

Terreno laminado em Plutão
O terreno laminado de Plutão visto pela sonda New Horizons em julho de 2015. Imagem: NASA/JHUAPL/SwRI
A nave espacial New Horizons da NASA capturou imagens do terreno em forma de lâmina de Plutão durante o seu voo em 2015. Essa região está repleta de pedaços gigantescos de gelo metano do tamanho de arranha-céus – a mais alta destas estruturas atinge 500 metros de altura.

Uma formação semelhante, chamada penitentes, é vista na Terra em uma escala muito menor. Os cientistas planetários teorizam que, há milhões de anos, o metano congelou nas altas elevações de Plutão e tem evaporado lentamente ao longo do tempo, numa forma bastante singular de erosão. A lua Europa de Júpiter exibe características semelhantes.

A ilha mágica de Titã
Agora você vê, agora não vê mais: a enigmática ilha de Titã. Imagem: NASA/JPL-Caltech/ASI/Cornell
A lua Titã de Saturno é sem dúvida o lugar mais estranho do sistema solar, com sua atmosfera espessa, mares de hidrocarbonetos, tempestades de poeira gigante, vulcões de gelo e precipitação sob a forma de chuva de metano e etano.

Em 2013, a nave espacial Cassini da NASA avistou uma formação geológica de 260 km quadrados em forma de ilha, em Ligeia Mare, um dos maiores mares de Titã. As sondagens anteriores não mostraram sinais desta característica, e ela passou a desaparecer ao longo dos meses seguintes. E então ela apareceu novamente.

Os cientistas não estão totalmente seguros do que é, citando possibilidades como ondas, bolhas, sólidos flutuantes e sólidos em suspensão (como o lodo em um delta terrestre). Além disso, como Titã estava transitando da primavera para o verão, na época das observações, os cientistas acreditam que o fenômeno está ligado à mudança de estação. Como eu disse, Titã é um lugar muito estranho.

Verona Rupes: o maior penhasco do Sistema Solar
Verona Rupes em Miranda. Imagem: NASA/Voyager 2

Verona Rupes é um penhasco na lua Miranda de Urano. A 20 km de profundidade, é o penhasco mais alto do sistema solar. Em perspectiva, Verona Rupes é 10 vezes mais profunda do que o Grand Canyon. Sua borda parece um lugar sinistro para ficar de pé e olhar para a maravilha que é Miranda, mas o engraçado é que você provavelmente poderia sobreviver a um salto desta estrutura colossal, graças à gravidade insignificante nesta lua minúscula, que mede apenas 470 km de diâmetro.

Segundo a NASA, uma queda livre de cima para baixo deve levar cerca de 12 minutos, por isso é melhor levar um passatempo. Quanto à formação dessa estrutura, os cientistas suspeitam de um grande impacto ou de forças tectônicas.

As luas em formato de ravióli dos anéis de Saturno
Atlas, a lua em formato de ravioli dos anéis de Saturno. Imagem: NASA/JPL-Caltech/Space Science Institute
Saturno tem cerca de 60 luas, algumas das quais estão localizadas dentro ou ao lado de seu majestoso sistema de anéis. Cinco dessas luas de anéis, como são chamadas, são excepcionalmente estranhas em termos de sua aparência física, apresentando protuberâncias equatoriais. Algumas protuberâncias são pronunciadas e amorfas, enquanto outras são mais parecidas com uma saia, na forma como são enrolados ao redor das luas.

Mapas mostrando características geológicas segmentadas de Atlas (A), Daphnis (B), Pan (C), e Pandora (D). Imagem: NASA/JPL-Caltech/Space Science Institute/B. J. Buratti et al., 2019/Science
Pesquisas recentes sugerem estas luas – nenhuma delas com mais de 20 km de diâmetro, formadas transversalmente a partir do mesmo impacto que criou os anéis de Saturno.

“As luas são fragmentos gigantes que sobram do impacto”, disse Bonnie Buratti, astrônoma do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA e do Instituto de Tecnologia da Califórnia, em março de 2019. “As ‘saias’ ao redor de seus equadores são partículas dos anéis que continuam a aumentar. A forma como as luas extraem partículas em seu caminho pode ser um exemplo menor de como os planetas se formam a partir de partículas menores.”

Arrokoth
Uma composição colorida de Arrokoth. Imagem: NASA/New Horizons
Depois que a New Horizons passou por Plutão em 2015, os controladores de missão da NASA conduziram a espaçonave em direção a um misterioso objeto do Cinturão de Kuiper chamado MU69 2014. Este objeto distante está localizado a cerca de 44 AU do Sol, ou cerca de 6,5 bilhões de km da Terra, tornando-o o objeto mais distante já visitado por uma sonda.

Sabíamos que a New Horizons encontraria algo exótico, mas nada nos preparou para as imagens que ela nos enviou logo após seu breve encontro no Dia de Ano Novo de 2019. Arrokoth, como o objeto agora é chamado, parece um boneco de neve com dois lóbulos. Os astrônomos o chamam de binário de contato, no qual dois objetos distintos se fundiram para formar uma estrutura singular. É muito legal e um pouquinho assustador.

A região de Imhotep no cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko
Bacias de acumulação identificadas dentro da região de Imhotep no Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko. Imagem: ESA/Rosetta/MPS para equipe OSIRIS MPS/UPD/LAM/IAA/SSO/INTA/UPM/DASP/IDA
Localizada no cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, Imhotep é uma região notavelmente diversificada, cobrindo cerca de 80 hectares. É uma das “regiões mais geologicamente diversificadas” observadas pela sonda Rosetta, segundo a ESA, e um excelente lugar para estudar o cometa e como ele se formou.

Além de um conjunto incomum de terrenos planos cheios de materiais finos, Imhotep apresenta muitas rochas (2.207 para ser exato), terrenos rochosos, bacias nas quais pedras e rochas se acumularam, terraços fraturados indicativos de camadas internas, manchas brilhantes apontando para a presença de gelo e misteriosos traços arredondados não vistos em outros locais do objeto. Os cometas, como demonstra Imhotep, estão longe de ser enfadonhos.

Loki Patera em Io, lua de Júpiter
O vulcão Loki em erupção em 1979, capturado pela sonda Voyager 1 da NASA. Imagem: NASA/JPL/USGS
Por si só, Io é facilmente um dos lugares mais estonteantes conhecidos pelos astrônomos. Em órbita ao redor de Júpiter, Io é o objeto vulcânico mais ativo do Sistema Solar, apresentando lagos de lava de silicato derretido na superfície. A natureza vulcânica extrema de Io se deve às forças gravitacionais exercidas por Júpiter e duas luas vizinhas, Europa e Ganímedes.

Muitos vulcões existem em Io, mas Loki leva o crédito, representando 15% do gasto total de calor da lua. Além disso, este vulcão de 200 km de diâmetro é um vulcão periódico, o que significa que suas erupções tendem a seguir um padrão distinto. Desde 2013, Loki vem entrando em erupção com intervalos de aproximadamente 475 dias, com erupções que duram aproximadamente 160 dias.

Cratera Korolev em Marte
Perspectiva oblíqua da cratera de Korolev, gerada com um modelo digital e dados da Mars Express. Imagem: ESA/DLR/FU Berlim, CC BY-SA 3.0 IGO
Eis a maior pista de patinação do sistema solar: a cratera de Korolev em Marte. Localizada na planície norte do Planeta Vermelho, a cratera mede 82 km de diâmetro. O gelo dentro desta cratera é uma característica permanente, o que por si só já é impressionante. Quem está pronto para o jogo de hóquei mais épico da história do sistema solar?

As dunas de areia gigantes de Titã
Dunas na superfície do Titã. Imagem: NASA/Cassini
Titã tem um grande deserto equatorial chamado Shangri-la Land Sea, e apresenta uma malha bastante impressionante de dunas de areia. Essas dunas se estendem por uma área de mais de 10 milhões de km quadrados, com algumas dunas individuais chegando a atingir 100 metros. As dunas de areia na Terra são compostas principalmente de silicatos, mas as dunas de Titã são feitas de materiais orgânicos bombardeados pelos raios cósmicos do Sol, de acordo com pesquisas recentes.

A violenta atmosfera de Vênus
Uma imagem recém-processada de Vênus, vista pela sonda Mariner 10 em 1974. Imagem: NASA/JPL-Caltech
A característica mais aterrorizante de Vênus é a sua atmosfera, que também é a coisa mais fascinante do planeta. Nuvens localizadas na atmosfera superior correm a velocidades que chegam a 360 km/h, soprando de leste para oeste (ao contrário de como acontece aqui na Terra).

Ventos com força de furacão sopram perpetuamente por todo o globo, embora em altitude. Ah, e essas nuvens estão cheias de ácido sulfúrico que chove sobre a superfície do planeta, quente o suficiente para derreter chumbo.

O ainda planeta tem ventos elétricos que despojaram o planeta de sua água atmosférica. Vênus também apresenta uma das estruturas atmosféricas mais impressionantes do sistema solar – uma característica meteorológica em forma de arco que se estende por quase 10.000 km em todo o planeta.

Os pólos em forma de Hexágono de Saturno
Pólo norte de Saturno em forma de hexágono. Imagem: NASA/JPL-Caltech/Instituto de Ciências Espaciais
Tendemos a associar Saturno com círculos, desde seus anéis monumentais até as faixas amarelas e douradas em sua atmosfera superior. É por isso que a tempestade em forma de hexágono no pólo norte do planeta parece tão chocante. É algo que parece não-natural.

A tempestade, que mede cerca de 30.000 km de extensão, é causada por fluxos alternados e jatos zonais de alta latitude, segundo novas pesquisas. É inegavelmente estranho, mas mais uma característica marcante do planeta mais marcante do sistema solar.
Valles Marineris: o Grand Canyon de Marte

Valles Marineris em Marte. Imagem: NASA
O Valles Marineris é o maior cânion do Sistema Solar, com uma extensão de 600 quilômetros. No seu ponto mais profundo, o cânion alcança uma profundidade de 8 km. O Grand Canyon, no Arizona, EUA, é um pouco mais longo, mas tem apenas 1,8 km de profundidade. Tenha em mente, no entanto, que o diâmetro de Marte é apenas um pouco mais da metade do diâmetro da Terra. É justo dizer que, se Marte tivesse um mercado turístico vibrante, Valles Marineris seria imperdível.

Terra
Nosso sistema solar é o lar de alguns lugares realmente incríveis e bizarros, mas absolutamente nada se compara à Terra. Localizado em uma órbita estável dentro da zona habitável, nosso planeta lar possui um campo magnético altamente protetor, uma atmosfera rica em oxigênio, copiosas quantidades de água líquida, atividade de placas tectônicas, muitas superfícies terrestres, estações do ano que mudam regularmente e, claro, a vida.

Fonte: Gizmodo
junho 23, 2020
Assunto Da Matéria >>
Sua Opinião:

Postar um comentário

DÊ SUA OPINIÃO, COMENTE ESSA MATÉRIA.

Recomende e compartilhe para seus amigos no facebook

[facebook]

ivythemes

{facebook#http://facebook.com} {twitter#http://twitter.com} {google-plus#http://google.com} {pinterest#http://pinterest.com} {youtube#http://youtube.com} {instagram#http://instagram.com}

MKRdezign

{facebook#http://www.facebook.com/MundoMS} {twitter#http://twitter.com/MundoMSOficial} {google-plus#http://plus.google.com/+MundoMSOficial} {pinterest#http://br.pinterest.com/MundoMS/} {youtube#http://www.youtube.com/c/MundoMSOficial} {instagram#http://www.instagram.com/mundomsoficial}

Envie seu Recado ao Mundo MS🌏

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget