+MMS
Carregando Notícias Mundo MS...

Busca MS

Promotoria quer pena mais dura para mulher de executivo da Yoki

ANDRÉ CARAMANTE

O Ministério Público tentará uma pena mais alta contra a bacharel em direito Elize Matsunaga, 30, presa após confessar, segundo sua defesa e a polícia, a morte do marido, Marcos Matsunaga, 41.
Elize deverá ser denunciada à Justiça pela Promotoria, no máximo até quarta-feira, por homicídio doloso triplamente qualificado (que serve para aumentar a pena): motivo torpe (vingança), recurso que dificultou a defesa da vítima e meio cruel. Ela também será processada por ocultação de cadáver.

A Polícia Civil havia apresentado duas qualificadoras para o crime: motivo fútil (ciúmes) e meio cruel.

O inquérito do caso tem 532 páginas --31 contêm o relatório final sobre o assassinato.

Matsunaga foi morto em 19 de maio, no apartamento onde vivia com Elize e a filha de um ano, na Vila Leopoldina (zona oeste de São Paulo).

As três qualificadoras para o homicídio contra Matsunaga serão baseadas, entre outros elementos da investigação policial, no laudo necroscópico que apontou a causa de sua morte: "choque traumático (traumatismo craniano) associado à asfixia respiratória por sangue aspirado devido à decapitação".

Ou seja, após ser baleado na cabeça por Elize no apartamento, isso segundo a Polícia Civil e a defesa da mulher, Matsunaga foi degolado quando ainda estava vivo e agonizava. O laudo também diz que os braços foram arrancados com uma faca quando ele estava vivo.

No mesmo laudo consta que o disparo de pistola 380 de Elize contra o marido "foi de característica do tipo encostado", ou seja, à queima roupa, "da esquerda para a direita, de cima para baixo e de frente para trás".

VERSÃO

"A versão da suspeita para o crime foi totalmente sepultada após a revelação dos laudos", disse o promotor José Carlos Cosenzo, do 5º Tribunal do Júri da capital.

Em sua versão sobre o crime, Elize disse que atirou contra Matsunaga quando ele estava em pé e depois de uma discussão motivada pelo fato de ela ter descoberto que ele a traía com uma garota de programa chamada Natália. Elize também disse ter levado um tapa no rosto.

Elize afirmou ter esperado dez horas para começar a retalhar o corpo do marido, versão desmentida pelo laudo.

Elize e Matsunaga se conheciam desde 2004 e estavam casados havia dois anos. Herdeiro da Yoki Alimentos, uma das maiores do setor no Brasil, vendida recentemente por R$ 1,75 bilhão, Matsunaga conheceu Elize quando ela era garota de programa.

O advogado de Elize, Luciano Santoro, foi procurado ontem, mas não atendeu ao pedido de entrevista.

Desde o início das investigações, a polícia informava que Matsunaga tinha 42 anos, mas a informação está errada. Ele tinha 41 anos.

Editoria de arte/Folhapress


Não saia do nosso Mundo🌎Veja +... 😉

Anúncio

Matéria Em Destaque:*****************************************************************************

Esta cidade da Islândia pintou passos de zebra em 3D para que os carros diminuíssem sua velocidade

Na pequena cidade piscatória de Ísafjörður, na Islândia, um avanço na segurança rodoviária acabou de aparecer: pintaram os passos da zebra ...

Mundo MS No You Tube:***************************************************************************

CONFIRA NOSSAS PLAYLISTS ;)



VIDEOS CLIPES LEGENDADOS




BOM HUMOR :)




PANORAMA ECO

Navegue pela Data e encontre as Matérias em Ordem Cronológica. *****************************

Navegue por Categorias **************************************************************************